(os textos assinados são da exclusiva responsabilidade dos seus autores)

Leia aqui a homenagem da Fundação António Quadros a António Telmo.



segunda-feira, 18 de maio de 2009

SAUDAÇÃO A ANTÓNIO TELMO, 12

Encontro com António Telmo*
Helder Cortes

O encontro com o Professor António Telmo? Tudo aconteceu com a grande viagem a Granada. Após essa campanha e longa travessia por deserto onde o não encontrava, recebi certo dia de Verão, em lar que não esqueço, o telefonema do Professor António Telmo: Que sim; que ali vivia e que se disponibilizava a receber-me. Foi a porta que se abriu e o convite para de imediato entrar em sua casa.

Esse banquete há longo tempo iniciado à mesa de António Telmo, do qual me ausento para inúmeras leituras e cogitações, é perpétuo caminho de grande provocação, que nunca poderá ser via fácil. A amizade com este grande Homem que pressente o mundo com lucidez embriagante representa permanente confronto com o local que se ocupa, naquilo que é o constante questionar do presente. De tudo isto resulta ou a mudança de rumo, ou reforço da posição assumida e o continuar desse caminho. O que em qualquer dos casos (como se apenas duas opções existissem?!) resulta na óbvia mudança de local. O que sempre significará elevar-se na profundidade de seu Ser: Porque é descendo que se sobe! Só sendo pequeninos poderemos ser melhores.

António Telmo é uma grande janela aberta para o mundo da filosofia Portuguesa. Esse grande mundo no qual, como a mais pequena semente silvestre, tento absorver a primeira gota de água que a faça germinar. É essa permanente disponibilidade que torna qualquer encontro coisa geradora de novo momento.

____________
*título da responsabilidade do editor; o presente texto, destinado à Saudação a António Telmo, só agora nos chegou para publicação. Vem fora do tempo, mas não vem tarde. Fica sendo o décimo segundo e último daquela série. Por ele se torna o círculo perfeito.

Sem comentários:

Publicar um comentário