(os textos assinados são da exclusiva responsabilidade dos seus autores)

Leia aqui a homenagem da Fundação António Quadros a António Telmo.



quinta-feira, 4 de março de 2010

AGOSTINHO, 104 ANOS DEPOIS, 7



A Faculdade de Letras do Porto*
De vez em quando sucedem milagres, se Deus os consente e neles se empenham os homens. Num país de ensino rotineiro, com mais interesse pela nota e pela autoridade do catedrático do que respeito pela ciência e liberdade de discernimento pessoal, surgiu a Faculdade de Letras do Porto, que era toda ao contrário, inimiga da burocracia e fosse do que fosse que pudesse lembrar Coimbra e seus malefícios de séculos e incitadora de descoberta própria mais do que de aprendizagem servil, bem longe de ser a escola técnica de profissionais de ensino em que se transformaram as outras.

autógrafo de Agostinho da Silva aposto no exemplar dos Cadernos de Teoria e Crítica Literária oferecido a António Telmo
Em dois grandes grupos se dividia, liderado um por Teixeira Rego, que poderia ter sido bom matemático e físico – ouvi-o propor a teoria da luz de Broglie antes de Broglie – e ensinava filologia, pois ainda se não tornara ciência ou moda ser pedante em linguística, e o fazia com mais gosto para quem o acompanhava na velha livraria Lelo do que para quem, em obediência ao currículo, se matriculara na cadeira; o outro por Leonardo Coimbra, que podia também ter sido matemático e campeão remador, como Rego de ténis, e ensinava filosofia, ou antes, que isso era o certo, vivia filosofia, com muita agudeza e saber, como mestre, e muita angústia e caminhos torcidos, como homem, dando nota boa a quem se interessava e a quem se não interessava pela matéria – tive distinção na turma destes, pois que era o indo-europeu de Teixeira Rego meu pasto favorito –; tudo no Café Majestic, como o filólogo na Lelo.
Agostinho da Silva
* excerto retirado de Cadernos de Teoria e Crítica Literária, Faculdade de Filosofia, Araraquara, São Paulo, 4, 1974 – Impresso à parte para cem Amigos. A transcrição foi efectuada a partir do exemplar de António Telmo, com autógrafo de Agostinho, acima reproduzido em fac-símile.

Sem comentários:

Publicar um comentário