(os textos assinados são da exclusiva responsabilidade dos seus autores)

Leia aqui a homenagem da Fundação António Quadros a António Telmo.



domingo, 12 de fevereiro de 2012

AFORISMOS, 133












Eduardo Aroso

O povo que, tendo elevado a alto grau o «elemento água», na retorta histórica dos oceanos, ligando o mundo e vencendo o gélido e húmido terror do medo, não é provável que agora se alheie radicalmente desse mesmo elemento aquoso, para se sintonizar em demasia com o elemento fogo, o das convulsões pela guerra ou das acções de alavancas industriais. Na simbologia água/sentimento-imaginação, no soberano sacrifício de existir Portugal, transmudou-se alegria em tristeza («Ó mar salgado, quanto do teu sal/ São lágrimas de Portugal!»), mas também decadência em renascença, «O inteiro mar, ou a orla vã desfeita - / O todo ou o seu nada».

No sentir subterrâneo, para onde fomos levados depois de Alcácer-Quibir, ainda é possível desabrochar na alma a potência para largar no inesperado.

Sem comentários:

Publicar um comentário