(os textos assinados são da exclusiva responsabilidade dos seus autores)

Leia aqui a homenagem da Fundação António Quadros a António Telmo.



sexta-feira, 27 de novembro de 2009

EXTRAVAGÂNCIAS, 39



Mar Mor
Eduardo Aroso

Tem o horizonte mais largo,
Fundura além de corais.
Nele ninguém soçobra,
Âncoras são catedrais.
Dentro ninguém se perde
Pois há sempre uma gaivota
Que na vaga do desânimo
É um aviso que nos ergue.
Mar mor, mar nosso,
Cálice de sal e dor.
Prece à espera de ser dita
Na vaga mais alta
Da hora abstracta
Que se precipita….

Buarcos, Figueira da Foz, 19-11-09

Sem comentários:

Publicar um comentário