(os textos assinados são da exclusiva responsabilidade dos seus autores)

Leia aqui a homenagem da Fundação António Quadros a António Telmo.



segunda-feira, 30 de agosto de 2010

OS LUGARES, 8


Luso
Eduardo Aroso

Pela tua fonte
Se percebe, sem filosofia,
Que há um paraíso qualquer,
Pois do pesado e térreo monte
Brotam pingos de leve e serena melodia...

Luso, antiquíssimo nome que a nós veio,
Do longínquo tempo a deslizar nas fragas.
É que o mágico verbo, saliva fresca,
É ele que nos tenta!...
Que difusa memória
Ou líquida respiração dos deuses
É essa com que ainda nos alimentas?!

Sem comentários:

Publicar um comentário