(os textos assinados são da exclusiva responsabilidade dos seus autores)

Leia aqui a homenagem da Fundação António Quadros a António Telmo.



terça-feira, 20 de outubro de 2009

PALAVRAS QUE FAZEM VER, 14


[Álvaro Ribeiro, a imaginação e o conto]

“A cultura da imaginação é um factor psicoterápico muito indicado contra o medo, a agressividade e a vingança, e portanto um nobre processo de promover nas crianças a maturidade emocional. Inculta, a imaginação estaciona nos processos elementares, torna-se rígida e degenera, deixando o homem progredir física e intelectualmente até à hora reveladora das perturbações psicopáticas. O homem vulgar, desinteressado das actividades artísticas, substitui a imaginação pela representação mental, ou pela percepção, e satisfaz o seu instinto lúdico a discutir em termos pueris os distantes movimentos de uma bola.”
“Tudo que pretendermos ensinar à criança há-de ser de estilo narrativo e em narrativas hão-de ser todos os ensinamentos que lhe desejarmos transmitir. Na forma de conto, nas variadas espécies de contos, é que a credulidade pueril assimila os conhecimentos indispensáveis ao seu descobrimento do mundo. Ela estabelecerá o paralelo entre a imaginação e a inteligência, entre o imaginado e o inteligido, entre falsidade e realidade, para chegar à fase de crítica que pressupõe perfeito uso da razão.”
“Todas as outras faculdades humanas podem ser exercitadas em consequência do progresso da razão prática, estética e teórica, segundo o programa de ensino que costuma ser mais racional do que experimental; mas a imaginação cessa de progredir depois da adolescência, excepto nos homens que foram chamados a superior destino por vocação artística, filosófica ou religiosa. Não será erro dar preferência ao ensino da imaginação até à idade de catorze anos, combinando os exercícios abstractos que a estimulam com a provação concreta das obras de arte que a confirmam. Graduar os contos segundo o tipo de maravilhoso adequado às idades e aos sexos dos estudantes, será trabalho de classificação literária que culminará na habilitação para o entendimento da história dos povos.”
Álvaro Ribeiro
(excertos retirados de A Razão Animada, INCM, 2009)

Sem comentários:

Publicar um comentário