(os textos assinados são da exclusiva responsabilidade dos seus autores)

Leia aqui a homenagem da Fundação António Quadros a António Telmo.



quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

PALAVRAS QUE FAZEM VER, 15




[Álvaro Ribeiro e a transformação dos sentimentos pela arte]

“O instinto, pela sua interioridade corpórea, nem sempre se apresenta à superfície da consciência, e mais dificilmente projecta uma imagem que o torne consciente. Só por indícios e vestígios é que o psicólogo pode descobrir o instinto reprimido, mas a técnica da descoberta já está muito aperfeiçoada pela psicologia das profundidades. Se a doutrina de Freud ganhou fácil e rápida celebridade por conter um requisitório contra a repressão daquele instinto que é objecto da maior hostilidade social, e que portanto mais obriga o homem ao vício da hipocrisia, certo é também que a insatisfação de todos os outros instintos situa a alma humana numa indeterminação doentia de que só as imagens podem dar libertação.
Na relação do instinto com o sofrimento, e do sofrimento com o sentimento, segundo um ritmo biológico que se transforma em rito psicológico, viram alguns escritores a origem das artes rítmicas: da dança, da música e da poesia. Esta origem ctónica, tão apropriada ao pessimismo alemão, foi, aliás, lucidamente descrita por Frederico Schiller, conforme nos é dada notícia em A Origem da Tragédia de Frederico Nietzsche. A arte transformadora dos sentimentos – dos maus em bons sentimentos, como diria um moralista, ou dos sentimentos depressivos em sentimentos exaltativos, como diria um político – pode ser efectivamente aplicada na regeneração sentimental e mental dos delinquentes, se for praticada em ambiente dominado também pelas artes plásticas.”
Álvaro Ribeiro
(excerto retirado de A Razão Animada, INCM, 2009)

Sem comentários:

Publicar um comentário