(os textos assinados são da exclusiva responsabilidade dos seus autores)

Leia aqui a homenagem da Fundação António Quadros a António Telmo.



segunda-feira, 3 de agosto de 2009

OS POETAS LUSÍADAS, 26


[da série Nocturnos]

UMA NOITE

Que fria mão me vem fechar a porta
De sobre o lábio da primeira estrela?
Que morto florilégio me flagela?
A que prisão a noite me transporta?

Oh! que de semelhanças de ave morta
No descerrar dos gonzos da janela!
Lisas paredes, como branca tela,
Não sei que sombras o luar recorta …

Ai, como um túmulo, ao que vem de fora,
Oh! minha pobre casa, onde não entro
Hoje, que é noite, e apenas me demora,

Na embalagem que é só pagar o porte,
Que fria mão a há-de fechar por dentro?...
Mas não: Não desças mais, frio de morte.

Afonso Duarte

Sem comentários:

Publicar um comentário