(os textos assinados são da exclusiva responsabilidade dos seus autores)

Leia aqui a homenagem da Fundação António Quadros a António Telmo.



terça-feira, 12 de janeiro de 2010

EXTRAVAGÂNCIAS, 46


Dois poemas
Eduardo Aroso

NEVE
À memória de Augusto Gil

Tempo breve,
Demorado olhar!

Mas a nós,
Senhor,
Porque nos dás
Tanta cor?!

11-01-10


À ESPERANÇA DE UM NOVO ANO

Perdoa-me, oh tu que me tens em segredo,
Amada minha que não escuto o ano inteiro.
Perdoa-me, agora, se eu te fito com medo,
Te ouço apenas no primeiro dia de Janeiro!
A tua voz suave e firme bem me segura,
Tu que me vês no afã inquieto de mudança,
Perdoa-me se somente agora eu sou digno
E hoje te abraço minha doce esperança!

1 comentário:

  1. Obrigado ao Pedro Martins pela fotografia, outro poema, afinal.

    Eduardo Aroso

    ResponderEliminar